Send As SMS

« Home | Sobre a "Eficiência" » | Conclusão » | Inferno ou Desenvolvimento? » | Porque também existem bons comentários em anónimo.... » | Do Portugal Profundo » | "You don't represent!" Live with that. » | Para os Adeptos do Dínamo de Kiev foi a gota de ág... » | Santana Lopes » | Alguém percebeu porque é que o Paulo Bento critico... » | Brilhante! »

Adriano Correia de Oliveira (1942 - 1982)

É frequentemente divulgada a ideia de que o ressurgimento das tradições académicas está conotado com os saudosistas do antigo regime. De acordo com alguns depoimentos que tive oportunidade de recolher, esta foi uma ideia que os grupos mais radicais de esquerda, por não concordarem com a reimplantação da praxe académica, tentaram passar de início (e que algumas facções mais radicais de alguns partidos políticos de esquerda continuam a tentar perpetuar), contestando com violência – física, em muitos casos – as acções dos “restauradores”. Lembremo-nos que este foi um tempo de forte - e necessário - activismo político, em que era socialmente inaceitável não se estar ligado a nenhum movimento associativo. De resto, e de acordo com esses mesmos depoimentos, é mesmo verdade que muitos dos que se esforçaram por reimplantar a praxe académica estavam ligados a sectores considerados “de direita”, mas, e é preciso dizê-lo, numa altura em que não apoiar os partidos de esquerda era considerado ser-se fascista, logo, “de direita”. Mas não é verdade que tenham sido estes os únicos a esforçar-se por recuperar estas tradições. Ainda maior é a distância que vai desta sectorização à recuperação do Fado de Coimbra. É João Moura, um dos grandes impulsionadores e dinamizadores da Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra que no-lo diz: “(...) Fui Pyn-Guyn de 1976 a 1978 e era frequente ser mobilizado para tocar guitarra e acompanhar o fado nos serões da República dos Pyn-Guyns. Alguns antigos repúblicos tornaram-se visitas frequentes fazendo questão de cantar um fado ou uma balada. Tomei então consciência de que algo estava errado, pois a grande maioria dos repúblicos estavam fortemente conotados com os sectores mais esquerdistas da Academia e no entanto reviam-se no culto da guitarra e do fado. Muitos serões eram passados com debates acalorados sobre este tema e era opinião dominante que a guitarra deveria estar acima de qualquer tentativa de instrumentalização e das guerras políticas entre os vários sectores da Academia...”

Um dos meus intérpretes/ compositores preferidos de Fado de Coimbra completaria, se ainda fosse vivo (morreu estupidamente jovem, aos 40 anos), ontem, dia 16 de Outubro, 65 anos. Chama-se Adriano Correia de Oliveira. É autor, a par com Manuel Alegre (que compôs os poemas), de músicas de intervenção fabulosas, como é o caso de “Capa Negra, Rosa Negra” ou “Trova do Vento que Passa”. O que distingue Adriano Correia de Oliveira de outros fadistas é que a sua obra não se circunscreve – estando muito longe disso, aliás – ao Fado, sendo dos artistas que mais fez pela música portuguesa no último século (a par, talvez, com Zeca Afonso que, tal como Adriano, também interpretou Fado de Coimbra).
Combatendo o esquecimento em que este artista infelizmente caiu, a Movieplay portuguesa editou recentemente um disco que contou com a participação de diversos artistas (desde Vicente Palma, filho de Jorge Palma a Valete, passando por Tim ou até pelo ex-vocalista dos “Ornatos Violeta”, Nuno Prata) que recriaram livremente alguns dos temas mais conhecidos de Adriano, como “Trova do Vento que Passa” ou “Fala do Homem Nascido”. Infelizmente não foram incluídos dois: “Capa Negra, Rosa Negra” e “Sapateia”, bem emblemáticos da voz de Adriano Correia de Oliveira, que, como diz Manuel Alegre, insistia “em cantar sempre uma oitava acima”.
Fica a singela e merecida homenagem, e a pena imensa de nunca poder ouvir semelhante voz ao vivo, quem sabe nas escadas da Sé Velha...

Acrescento apenas que, no meio dos "restauradores" se encontrava um falange (que não era assim tão pequena) que tinha como único objectivo na (re)introdução do traje académico ver o luto terminado em tom provocador (nem que fosse a martelo, visto que nunca tinham concordado com ele).
Estou a dizer isto numa perspectiva de História, não de parecer pessoal.
Pessoalmente, acho que o ridículo da questão foi constatado uns 10 ou 15 anos mais tarde quando "a mulher gorda" e "esta merda é toda nossa" invadiram as ruas e as calçadas. Enfim, como nem tudo é mau, acho de valor relembrar o que de bom se teve e se tem, relembrar Adriano Correia de Oliveira.

Não, o Fado não é nenhum hino do antigo regime.

Só alguém completamente deslocado do que se faz dentro da Associação Académica de Coimbra pode achar que a cultura académica de Coimbra se resume à "mulher gorda" e a "esta merda é toda nossa". A praxe e o uso de capa e batina são costumes inalienáveis de alguma dessa cultura (e não é só de um ou dois grupos, ao contrário do que possas pensar). Há uma dose incomensurável de vida para além do recente hot spot Bar da AAC.

Não deixa de ser irónico que seja eu a fazer de "advogado do diabo", mas vejamos: tal como houve muita boa gente - que hoje por acaso tem grandes cargos no PS ou no PSD - a integrar alas radicais e anti-democráticas do PCP, não me surpreende que tenham existido aqueles que estiveram do lado oposto e que, tal como eles, se convenceram um dia que estavam errados. O uso de capa e batina como provocação parece-me uma coisa bem ingénua, para já não dizer inocente.

PS: Esta está longe de ser uma "questão ridícula". No Instituto Superior de Contabilidade e Gestão de Moimenta da Beira pode ser. Aqui não.

Estou deslocado? Se calhar é a única explicação porque que até acho piada ao traje e a toda essa cultura...

ingénua ou não, aconteceu, se não quiseres acreditar, amigos à mesma. Se algundia constatares por fonte menos duvidosa e parcial que afinal foi mesmo podes até fechar os olhos e tapar os ouvidos para não te desiludires...

Não há grandes pontos de doscórdia entre o que eu disse e o teu texto, não precisas de os inventar. (por isso relaxa em vez de mandar vir)

não ligues à ortografia, tou pedrado de sono

Enviar um comentário
A Mesa de Café

Imprensa Desportiva

a mesa de café Blogger